Experiência do candidato ruim: quais as consequências? - Matchbox

Experiência do candidato ruim: quais as consequências?

18 de março de 2020

Avatar

Julia-sanchez

Conteúdo @ Matchbox

O momento de recrutamento e seleção de novos talentos é muito importante em todas as suas etapas, desde o momento da divulgação da vaga até a resposta sobre o processo seletivo, sendo ela positiva ou não. Isso diz respeito a experiência do candidato, à visão de mercado que você quer deixar de sua marca empregadora, o que impacta tanto na atração e retenção de talentos quanto na área comercial, e nós te explicamos o porquê:

O profissional que vai se candidatar à vaga em aberto precisa sentir uma vontade real de fazer parte da equipe, e não apenas mandar o currículo por mandar. Isso diz respeito ao investimento da atração de novos talentos de seu RH, que impacta diretamente na otimização de sua equipe e consequentemente nos resultados obtidos por ela. Então, quando se faz uma divulgação que não demonstre os benefícios concretos que a sua empresa oferece, não só no quesito valores, os riscos de atrair pessoas sem as qualificações desejadas são grandes. 

No entanto, é importante lembrar que a experiência do candidato não se refere apenas ao primeiro contato dele com a sua marca, e sim toda a sua trajetória dentro do processo seletivo, que pode ser por call, chamada de vídeo e presencialmente, é claro. Por isso é importante se atentar a cada passo dado com aquela pessoa dentro da sua empresa, evitando que ela fique com uma má impressão, o que pode trazer graves consequências para o seu employer branding. 

Evitando as consequências de uma experiência do candidato ruim 

Ao participar de uma entrevista em uma empresa que não te recebeu de maneira amigável ou mesmo razoável, o que você faria? Pois é, não iria querer trabalhar naquela equipe nem mesmo se fosse chamado e pior, não confiaria mais em consumir os seus produtos e serviços (se já os consumia antes), ou nem pensaria em consumir dali para frente. 

Nesse caso, é importante lembrar que o candidato, antes de ser um candidato, é um possível cliente ou consumidor, que se não ficar satisfeito com o seu contato com a empresa mesmo no quesito RH, com certeza não vai investir o seu tempo e dinheiro com os seus serviços, e também não irá indicá-lo a ninguém. Vale ressaltar que também poderá difamar a sua marca para outras pessoas, causando um estrago ainda maior. 

Por isso, é importante ser um processo de recrutamento e seleção muito bem estruturado, valorizando cada candidato individualmente, mesmo que logo no começo perceba que ele não se enquadra no perfil desejado para a vaga. 

Uma boa dica para evitar esse tipo de desentendimento é investir em uma atração de talentos mais alinhados ao perfil da empresa, o que otimiza o tempo tanto do RH quanto do profissional. 

Como ter um processo seletivo bem estruturado 

Entendida a importância de valorizar cada etapa do processo seletivo a fim de evitar uma experiência de candidato ruim, é hora de saber como fazer isso. Para começar, o processo realizado atualmente precisa ser analisado em seus pontos positivos e negativos, e nesse momento é importante pensar em como otimizar o máximo de tempo possível. 

Nenhum profissional, mesmo precisando muito da vaga, se sentirá confortável ao esperar por horas para ser recebido em sua empresa, muito menos passar horas no processo seletivo e por fim, mais horas para receber a resposta. Por isso, crie um plano estratégico que seja conciso e efetivo, com testes rápidos e que sejam pontuais para você entender se aquela pessoa se enquadra no perfil desejado ou não. 

Para entender um pouco mais sobre o assunto, leia o nosso artigo sobre Candidate Experience, que fala um pouco mais sobre cada passo que pode ser adotado na hora da contratação para gerar uma boa experiência do candidato, e consequentemente, uma boa visão de sua marca empregadora dentro dos meios profissionais e também dentro do mercado em geral, afinal, cada candidato também é um consumidor! 

Post imagem